A Aprendizagem foi desde sempre uma das áreas de interesse na Pedagogia e da Psicologia. Como é que o ser humano aprende? Como faze-lo aprender mais e melhor? A aprendizagem foi sempre uma questão transversal à evolução social e tecnológica da humanidade.

Fatores como a velocidade da aprendizagem desde sempre foi um fator fundamental, não apenas no mundo académico, mas também no mundo empresarial. Uma maior velocidade de aprendizagem pode ditar um sucesso de um aluno, ou um período mais curto de adaptação a um local de trabalho, o que é crucial nos dias atuais. Porém, é extremamente redutor e eu diria injusto, categorizar alunos e profissionais com base unicamente na sua velocidade da aprendizagem, negligenciando os restantes fatores.

Mas porque uns indivíduos aprendem melhor e mais rapidamente que outros? O que nos diz a ciência?

Como em muitas outras questões do foro psicológico, a ciência diz-nos que no âmbito da aprendizagem, a genética também define uma parte que não podemos alterar, porém podemos usa-la em nosso benefício.

A genética dita essencialmente, a estrutura biológica inicial. Isso vai definir os sentidos preferenciais, isto é, os perfis de aprendizagem. Nomeadamente se é mais sensível aos estímulos visuais ou auditivos, qual dos hemisférios será mais propenso de utilizar, etc. Porém todas estas características indicam predisposições, nada de definitivo.

Surge então a questão: Como podemos fazer que alguém aprenda melhor e mais rápido?

Atualmente sabe-se que, para toda e qualquer aprendizagem é essencial motivação. Dificilmente um individuo aprende o que não quer aprender. A motivação é fundamental para a mobilização de recursos cognitivos essenciais na atenção.

Outra coisa que a ciência nos diz, é que toda e qualquer aprendizagem têm uma emoção associada. Este fato é fácil de compreender porque as coisas que nos apaixonam são tão fáceis e nos dão prazer de aprender. A emoção é essencial no processo de memorização e inevitavelmente na aprendizagem. Quanto maior é a emoção (positiva ou negativa), mais marcada ficará na nossa memória. Lembramos melhor as nossas experiências muito boas ou muito más, contudo, as más experiências correm o risco de serem eliminadas ou tornadas inacessíveis pelo inconsciente.

Um fato relevante sobre a aprendizagem, talvez o mais importante, a aprendizagem tem de ser significativa para o sujeito que aprende. Tendo significado, facilmente passará para a memória a longo prazo (ver 7 Memórias do ser humano), e dificilmente se esquecerá. Contudo para que uma aprendizagem possa ter significado é necessário duas coisas: fazer parte fundamental da experiência de procura/construção do conhecimento que o individuo irá aprender e que esse conhecimento integre o outro já existente.

Concluindo, estabeleça uma estratégia seguindo 3 regras:

Deixe ser o individuo a descobrir/construir o conhecimento – Estabeleça uma estratégia, um caminho, de forma a ser percorrido, culminando no que queria que ele aprendesse. Assim ele terá um papel ativo na construção do conhecimento, proporcionando uma experiência significativa

Tenha como base gostos do individuo – A estratégia, tem que ter origem em coisas que ele gosta ou que ele conhece. Assim é uma forma simples e fácil de motiva-lo captando facilmente a sua atenção. Relacione, faça analogias, use o humor.

Faça com que ele relacione os novos conhecimentos com os antigos já integrados – Na estratégia, faça com que o novo conhecimento assente sobre o conhecimento já adquirido. Dificilmente memorizamos coisas que não se relacionam com nada que já conhecemos.

A Teoria da Aprendizagem Significativa, é essencial a base da explicação destas 3 regras fundamentais da aprendizagem ! Nesta perspetiva construtivista, relativamente recente, explica qual é o procedimento da aprendizagem e todos os elementos que a compõem.

 

E você tem dificuldade em aprender ou em ensinar?

 

Posts Relacionados: A importância da Psicologia ; O que não sabe sobre o Amor ; 6 Dicas para Educar com Limites ; 7 Memória do ser Humano

Siga-nos no Facebook , no Twitter ou no Google+

Autor: Jorge Elói