A solidão é um dos sentimentos aparentemente mais complexo e contraditório, pois algumas pessoas procuram a solidão e outras evitam-na a todo o esforço. Pois há pessoas que conseguem “gerir bem” esse sentimento enquanto para outras é completamente desestruturante. Mas porque existe tanta diferença?

A solidão é um sentimento complexo, deriva essencialmente da construção da realidade subjetiva de cada um. Pois o sentimento de solidão não é obrigatoriamente estar só, pois como é comum, podemos estar no meio de uma multidão de pessoas, porém esse sentimento ainda assim existir.

Se não deriva do exterior, onde então tem origem esse sentimento?

É mais importante a forma como experienciamos internamente determinado acontecimento do que a realidade objetiva do acontecimento. Isto é, o que importa não é o que vivemos, mas como interpretamos o que vivemos. Nós é que damos o significado ao que vivemos, nenhum acontecimento possui significado por si só. Assim sendo o sentimento de solidão tem essencialmente origem em nós próprios, ou melhor, no nosso inconsciente.

A nossa construção da realidade vai definir o que sentimos e como sentimos, por isso, a solidão para pessoas pode ser construtiva, enquanto para outras altamente destrutiva. Tal como a felicidade, a solidão vem do interior e não de fatores externos.

Será que conseguimos lidar com a nossa própria companhia?

A resposta a esta questão vai definir se a solidão é destrutiva ou construtiva, pois a solidão é essencialmente lidarmos com a nossa própria companhia. Isso implica, aproximarmo-nos de nós próprios, dos nossos sofrimentos, dos nossos assuntos mal resolvidos, das nossas imperfeições e nesse momento há pessoas que se aceitam, enquanto outras que se rejeitam. Nos momentos de solidão, há pessoas que aproveitam para conhecer-se melhor, enfrentando de frente os seus medo e sofrimentos. Enquanto as que passam o tempo todo a negar esses medos e sofrimentos, quando se deparam que realmente eles existem, “fogem” ou saem “destruídas”.

Mas uma qualquer “reconstrução” passa obrigatoriamente por uma fase de “destruição”. Como podemos ter algo novo, sem deixar, destruir o velho? E para o reconstruir é necessário conhecer e aceitar.

“Curioso paradoxo: quando me aceito como sou, posso então mudar.” Carl Rogers

Frequentemente as pessoas quando passam por um acontecimento menos bom, necessitam de estar sozinhos, muitos nem entendem porque o fazem. Mas esse “isolamento” (físico ou apenas psicológico) pode ser entendido como uma tentativa inconsciente de gerir melhor as emoções que derivaram desses acontecimentos menos bons.

A solidão proporciona essencialmente auto-conhecimento, pode ser suficiente para a mudança ou não. Pois mesmo deparando-se consigo mesmas, muitas pessoas não se “compreendem”, “confundindo-se ainda mais”.

E você, como é para si a solidão?

Temas relacionados: Psico-somáticas: Doenças e Sintomas ; Psicologia Clínica e a Relação Terapêutica ; Deus: Acreditar ou não Acreditar ; 9 Dimensões para Desenvolver a Criatividade; 12 Crenças Irracionais de Ellis ; Efeito Placebo: Conheça este Incrível Efeito ; Excesso de Peso: Origem Psicológica? ;Amizade: Importância Psicológica e Características

Siga-nos no Facebook , no Twitter ou no Google+

Sem Spam

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!