Luto é uma palavra que acompanha o ser humano desde sempre, principalmente quando perdemos alguém de quem gostamos muito. É uma espécie de despedida forçada e para sempre. Mas afinal o que é o luto? Como se processa? É mesmo necessário esse doloroso processo?

O luto é um processo necessário e fundamental par preencher o vazio deixado por qualquer perda significativa não apenas de alguém, mas também de algo muito importante, como um objeto, uma viagem, um emprego, uma ideia, etc.

O processo de luto dá-se tanto em humanos como animais. Nos humanos o processo de luto é acompanhado por um conjunto de sentimentos, entre os quais: tristeza, raiva, culpa, ansiedade, solidão, fadiga, desamparo, choque, anseio, torpor, alívio e emancipação. Refletindo-se em sintomas físicos de vazio no estômago, aperto no peito, nó na garganta, falta de ar, falta de energia, boca seca entre outros.

O luto/perda normalmente passa por 5 fases:

A negação- Surge a primeira fase do luto, é no momento que nos parece impossível a perda, em que não somos capazes de acreditar. A dor da perda seria tão grande, que não pode ser possível, não poderia ser real.

A raiva – A raiva surge depois da negação. Mas mesmo assim, apesar da perda já consumada negamo-nos a acreditar. Pensamento de “ porque a mim?” surgem nesta fase, como também sentimentos de inveja e raiva. Nesta fase, qualquer palavra de conforto, parece-nos falsa, custando acreditar na sua veracidade

A negociação– A negociação, surge quando o individuo começa a por a hipótese da perda, e perante isso tenta negociar, a maioria das vezes com Deus, para que esta não seja verdade. As negociações com Deus, são sempre sob forma de promessas ou sacrifícios.

A depressão – A depressão surge quando o individuo toma consciência que a perda é inevitável e incontornável. Não há como escapar à perda, este sente o “espaço” vazio da pessoa (ou coisa) que perdeu. Toma consciência que nunca mais irá ver aquela pessoa (ou coisa), e com o desaparecimento dele, vão com ela todos os sonhos, projetos e todas as lembranças associadas a essa pessoa ganham um novo valor.

A aceitação – Última fase do luto. Esta fase é quando a pessoa aceita a perda com paz e serenidade, sem desespero nem negação. Nesta fase o espaço vazio deixado pela perda é preenchido. Esta fase depende muito da capacidade da pessoa mudar a perspetiva e preencher o vazio.

As fases do luto, não possuem um tempo predefinido para acontecerem. Depende da perda e da pessoa. Porém sabe-se que a que leva mais tempo é da fase da depressão para a fase de aceitação, algumas pessoas levam décadas de vida e outras nunca conseguiram aceitar com serenidade a perda. Acontece principalmente no caso de perda de um filho.

Devemos sempre valorizar o que temos, enquanto o temos. Pois não sabemos quando o vamos deixar de ter. Curiosamente muitas vezes só nos apercebemos da importância de determinada pessoa ou coisa, quando a perdemos, porque o valor dessas pessoas ou coisas dilui-se no valor das coisas que a rodeiam. Essas pessoas ou coisas são tão subtis ao valorizarem o ambiente envolvente, que o seu próprio valor divide-se entre tudo o que a rodeia, tornando-se quase impercetível. Porém quando a perdemos, não a perdemos apenas a ela, mas muito do valor das coisas que a rodeavam e é aí que notamos a sua falta.

Metaforicamente falando, como se o ambiente que a envolvia “entristecesse” e “perdesse a cor”, e dificilmente voltará a ser como era.

E você, passa por estas fases nos seus Lutos?

Temas relacionados: A Importância da Psicologia ; Como “Reciclar” Sofrimento em 4 Etapas ; Psicologia Clínica e a Relação Terapêutica ; Deus: Acreditar ou não Acreditar ; 9 Dimensões para Desenvolver a Criatividade; 12 Crenças Irracionais de Ellis

Autor: Jorge Elói

Sem Spam

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

20 Comentários

  1. Juliana Gallicchio Valerio diz:

    Jorge, boa tarde. Cheguei a este post enquanto procurava respostas para o que está acontecendo comigo e algum consolo. Perdi meu pai há 15 dias e hoje seria seu aniversário de 68 anos. Um homem saudável, alegre, que passou mal quando voltava do trabalho. Foi socorrido em uma farmácia onde teve uma parada cardíaca e foi reanimado. O resgate chegou, ele saiu com vida no Hospital, mas logo em seguida veio à óbito. Naquela noite de quinta feira, a sensação que tenho é a de que fui jogada para fora de mim. Desde então vivo uma tristeza profunda. Ele faleceu um dia antes do casamento da minha irmã e sem conhecer o primeiro neto que está para nascer. Minha família se despedaçou e estamos, juntos, tentando juntar estes pedaços. Nunca imaginei que a dor do luto além de doer na alma, pode doer no físico, também. Estou perdida, em busca de equilíbrio para superar este momento. Acho que estou na fase da depressão e hoje, a sensação que eu tenho é que esta vai durar para sempre. Abraços.

  2. Lussandra diz:

    Bom dia Jorge. Perdi minha irma a 7 meses para a Leucemia aguda. Entre o diagnostico e morte foram 30 dias. 26 dias antes do diagnostico ela fez exames de rotina e não apareceu nada. Um outro dia foi fazer exames no cardiologista de rotina tb, e ja saiu com o diagnostico. Sem sintoma nenhum foi internada imediatamente. Ela representava para mim muito mais que uma irma, uma mãe. Ela era minha unica irma e mais velha. Cuidei dela 1 semana ao entrar no hospital e na ultima semana de vida dela. Porem a ultima semana inconsciente na UTI.
    Me identifiquei em varias fases que você mencionou! Porem as vezes é muito duro acreditar, pois ela nao tinha sintoma nenhum, era uma pessoa que fazia exercícios, se alimentava perfeitamente.
    Sinto muita falta dela. Uma dor que custa a passar. Ela era alegre e feliz, amava a natureza. Sinto que ela foi arrancada de nos. Minha vida mudou completamente depois desse ocorrido. Acho que estou ainda na fase da negociação… Pq nao eu? Nao tenho arrependimento, pois tudo que tinha para viver com ela vivi. Mas nao imagino como sera daqui para frente minha vida sem ela.

  3. carla diz:

    Sinceramente..nem tenho palavras……apenas uma única certeza: devemos fazer tudo absolutamente tudo pelos entes queridos qdo estão entre nós. Meu único consolo em relação ao meu pai..que perdi…..é a consciência limpa de ter estado presente.Dei amor, carinho …e muita a tenção.

  4. Sandra diz:

    Olá. Boa tarde.
    Acabei de ter uma gravidez interrompida, e não passei por essas fases. Talvez tenha passado antes de ter a confirmação de que teria de interromper a gravidez.
    Na noite posterior ao procedimento chorei, um pouco.
    Normal?!

  5. LUCILENE diz:

    Olá…Perdi minha filha ao nascer,a bolsa estourou na semana prevista,fui para hospital e 20 min depois ela nasceu de uma cesariana,mas nao chorou entao medico me disse q ha mas de 12 hrs ela ja estava em obito..no primeiro momento senti uma dor mt grande no coração,como o enterro foi no mesmo dia, não a vi,ao chegar em casa no segundo dia,choorei muito,a realidade é muito dolorosa,estao fui aconselhada a me desfazer das coisas do enxoval,hj o que tenho dela são apenas fotos e a esperança q todos nos que cremos na volta de cristo temos que um dia irei encontra-la novamente,esta fazendo 2 meses daq a alguns dias, tentei voltar a minha rotina e as vezes ainda choro muito,mas tenho encontrado forças com meu filho de 5 anos que me toma um certo tempo e meu marido e pedido a deus todos os dias q continue me ajudando..algumas pessoas me falam q sou mt forte,pq se fossem com elas teriam enlouquecidos, então a minha pergunta é sera q estou passando ainda por essas fases e em qual delas estou? obrigada…

  6. Filipa diz:

    Jorge, boa tarde. Gostei muito do que escreveu anteriormente nos vários posts.
    Ainda que o luto dependa de cada pessoa, o que considera que deve ser feito para que o luto seja mais ameno ou para que seja possível chegar à fase de aceitação mais rapidamente? Muito obrigada, Filipa

  7. Adriana diz:

    Boa noite Jorge.

    Gostei muito de seu artigo.Obrigada.

    Ao Lê-lo, não pude deixar de atribuí-lo também a perdas em relacionamentos amorosos e entre outros também.

  8. Maiara B. Sousa diz:

    Boa tarde Jorge, não estive a procura de explicações, nem nada do tipo. Na verdade, estou estudando para uma prova de desenvolvimento humano e derrepente me deparei com esse site e varias pessoas com seus sentimentos. Vou compartilhar um pouco do meu nessa tarde.
    Infelizmente perdi meu pai aos 17 anos e minha mãe aos 21, me vi sozinha em mundo gigante, perdida em meio a multidão. Se passaram 3 anos ate agora e sinto como se fosse ontem que tudo aconteceu. Hoje ainda sinto a mesma dor de antes, mas me sinto mais forte, pelo fato de saber que mesmo com a perda, eu ainda estou aqui. Faço terapia ate hoje e provavelmente irei fazer por muito tempo. Tem me ajudado muito e agradeço por existirem pessoas que nos fazem ver o lado bom, mesmo quando estar ruim.
    Não sei você ira ler, porque percebi que os posts são de 2013, mas de qualquer forma, eu precisei expressar meus sentimentos e me sinto muito aliviada por isso.
    Grata

  9. Eu perdi o meu pai no dia 07/03/2003 e hoje (19/06/2014) ainda não superei essa perda! Eu acho que siceramente estou entre as quatro primeiras fases e que no meu caso eu nunca vou aceitar essa perda. O meu pai morreu inocente, ele estava com o cunhado que devia a um bandido e todos no lugar foram baleados, mas meu pai tomou três tiros (um no torax, um na mão e o que matou atravessou o cerebelo) e você espera que eu simplesmente aceite que ele morreu enquanto o cara que devia estra morto, permanece vivo até hoje? Me desculpa mas, honestamente, eu acho que nunca vou coonseguir! Enfim, a sua postagem me ajudou a entender melhor o que eu estou passando e a tentar compreender os meus sentimentos. Obrigada!!

  10. E**** diz:

    Perdi meu pai tem um mês e alguns dias. A minha primeira perda significtiva foi qdo perdi minha avó, mãe dele, mas eu era muito pequena, lembro pouco, mas lembro por ter sofrido muito.
    Eu estava até então em estado explosivo, curioso que uma psicologa me disse q isso poderia ser devido a perda dela, ignorei…. A perda do meu pai foi forte pra mim… E hj, eu estava vendo desenho (como sempre vejo, mesmo “burra velha” de 39 anos) e no desenho um dos personagens comentou… “ele está passando agora pelas 5 fases da dor” e descreveu estas mesmas 5 fases. E resolvi procurar e de primeira vi este site. As 5 fases do luto… e me identifiquei. Qdo eu tive a noticia, surtei gritando pela casa dizendo que era mentira. Mas isto foi só na hora, meu marido estava perto e me acalmou. Logo depois veio uma espécie de raiva dele e de mim. Dele por não se cuidar e ter me deixado e de mim por tantas vezes q fui grossa e impaciente com ele.Fiz muitos planos para ele e ele não viveria mais isso.
    Acho até que estava prestes a fazer a negociação com Deus, mas eu tenho meus pensamentos espíritas e não discutiria isso com Deus.
    Tudo me lembrava ele, o meu cognitivo já não funciona direito há alguns dias… perdia o foco das coisas. chorei pela ultima vez no dia que fez um mês. (tem uma semana isso)
    Hoje eu até estou bem, mudei a foto do facebook e já não estou mais pensando tanto nele. Acho que minha vida segue agora… O que mudou, é q não estou mais explodindo a torto e a direita como fazia, agora eu tenho o time pra pensar se embarco ou não na explosão.
    Mas valeu estas suas palavras…. me fez entender melhor…

  11. vanessa diz:

    Perdi meu sobrinho de 3 anos, faz 3 meses… ele estava bem e no espaço de 10 dias descobrimos sem querer que ele tinha um problema no coração, sendo necessário operar urgentemente e ele nao resistiu a operação. os médicos disseram que dentro da cirurgia cardiaca, esta era a mais simples, nos deu tanta confiança, operamos com uma das melhores equipes do país, no entanto, ele faleceu. não deu tempo de entendermos o que estava acontecendo ja que ele estava tão vem, brincando, saudável e de repente: morto!!
    Está sendo muito difícil para meu irmão e minha cunhada, ele era o caçula. meu irmão tem seus momentos de tristeza mas passa a impressão de estar mais conformado. Mas minha cunhada.. está numa montanha russa emocional, alterna momentos de bem estar, de sair com amigos para momentos de raiva, de depressão profunda.. estamos muito preocupados. estamos pedindo que ela vá num psicologo, ela não rejeita a idéia, mas não tem iniciativa de ir, vai adiando. creio que ela não está preparada para fazer bem a si mesma ainda. como nós podemos ajuda-la? estamos tão preocupados

  12. Karina diz:

    Eu estou num luto de relacionamento e vou dizer que talvez seja, depois da perda real (morte) a pior dor que senti na minha vida.. Não sei como lidar… E nem como “me ajudar”….

  13. kennedy meirelles diz:

    Boa noite Jorge!

    Tive tres perdas na familia, das pessoas mais ligadas a mim, uma tia em 2005,uma irmã em 2007 e minha mae em 2010.Minha mãe e minha tia estavam com idade avançada e morreram por problemas de saude,eu sinto muito a falta delas,minha irmã foi assassinada ,nós não tinhamos muita afinidade,porem até hj não me recuperei da morte dela,tive que ser forte naquele momento,pois tinha que resolver tudo e apoiar minha mãe,nem consegui chorar,não me lembro da ultima imagem dela.todas as vezes que sonho , ela está viva,correndo perigo e eu estou tentando salvá-la,quando acordo a sensação é terrivel.E lá se vão 7 anos……….

  14. olá, sou Débora diz:

    Tive uma história virtual com uma pessoa e meu marido descobriu tudo. Me arrependi, pedi perdão e implorei q ele ficasse comigo. Estamos juntos, mas sei que ele não me perdoou e mesmo dizendo que ainda gosta de mim, deixa claro que está comigo apenas pela nossa filha. Insisto pra que lutemos pra sermos felizes no casamento, mas não vejo empenho da parte dele. Pra acabar de completar, sinto que ele tá passando pelas fases do luto. Passou pela negação e agora está passando pela raiva pois sempre diz que quando olha pra mim sente raiva por eu ter feito o que fiz e no fim, me chama de puta. Me pergunto: se ele está passando pelas fases do luto, quando tudo isso acabar, ainda vou ter espaço na vida dele?

  15. katia diz:

    ola perdi minha mãe a um mes e nao consigo parar de chorar até aceito a perda mas sinto muita falta dela e raivas de muitas pessoas q fizer coisa desagradavéis a ela o q faço para essa dor diminuir tenho medo da depressão nao quero entrar nessa face pois receio não conseguir sair depois!!!!

  16. André banha diz:

    Eu só tenho 14 e demorei 8 a sair da deprimaçao e sinto me bem melhor esto e incrível.

  17. maria diz:

    Boa noite meu ex namorado se matou porque eu deixei ele, eu não estou acreditando fui no velorio mas minha cabeça aceita como um pesadelo na qual chorei muito mas acordei e hoje estou bem pq sei que ele esta ai vivo, mas todo o mundo diz que ele morreu. é normal?

  18. Karla diz:

    Bom dia Jorge, resolvi pesquisar sobre as fases do luto porque me sinto num turbilhão de emoções muito dolorosas. Perdi meu filho de 6 anos há 1 mês e meio. Ele foi atropelado na minha frente, do pai e do irmão por uma moto e nada pude fazer para salvá-lo. Há dias de calma em meu coração e quando acho que já estou chegando no processo de aceitação da morte, volto pra fase do desespero, especialmente quando vivencio a falta de algo que fazíamos juntos ou passo por um local onde ia com meu filho. Hoje especialmente está dilacerando o meu coração a falta que sinto em chamar seu nome e ou vi-lo dizer: oi mãe! Sei que ele está bem, pois sou espírita e sei o quanto as pessoas que passam por isso recebem grande amparo no plano espiritual. Ainda não consigo mexer em suas coisas e a saudade de vê-lo desarrumando seu quarto e suas coisas que hoje estão todas arrumadas é como uma faca remexendo em meu peito. Não poder sentir seu corpinho sentado no meu colo e especialmente não poder fazer mais toda aquela rotina que o envolvia (cuidados, banho, escola, passeios, arrumar pra dormir, fazer a comida dele) me exige um enorme esforço pra continuar vivendo. Estava muito angustiada por que muitos dizem pra gente não se apegar ao sofrimento e meu marido nega o processo de depressão. No entanto, sinto que isso faz com que ele esteja de mal humor e totalmente impaciente. O que posso fazer para ajuda-lo?

  19. Ana Lael diz:

    Olá! Entrei nesse site por acaso procurando informações sobre as fases do luto, porque uma amiga havia me falado do assunto. Bom tem tantos lutos em minha vida na minha alma que estou anestesiada a mais de dois anos e minha última perda levou o resto de vida que tinha. Bom em agosto 07/08 de 2010 recebi um telefone comunicando que meu irmão de 39 anos tinha falecido, depois disso minha mãe ficou muito triste, deprimida não aceitava a morte dizendo esse não ser o percurso normal da vida, um filho morrer antes dos pais, e em 17/03 de 2011 minha mãe faleceu, praticamente no mesmo horário que meu irmão e de causas iguais ambos sofreram infarto fulminante, minha mãe faleceu na minha frente, minha princesa, amiga, minha mãe era tudo na minha vida, foi um processo muitot difícil para todos, como se não bastasse na mesma época descobrimos câncer de próstata no meu pai, e junto meu irmão de 46 anos estava se preparando para um transplante de rim, a operação foi um sucesso mais passados algumas horas ele entrou em coma e morreu no dia 26/04 de 2011 e foi enterrado no dia 27 e recebeu exatamente sete coroas de flores. Naquele momento quando via meu irmão eu via três mortos e mal podia acreditar tamanha dor, tive síndrome pânico, medo de todos os dias que tinha sete. Minha vida virou dos pés a cabeça, na ocasião tínhamos um sobrinho do qual mamãe e eu criavamos como filho, mais devido a depressão entreguei ele para o pai(meu irmão) cuidar dele na época tinha 11 anos, também tinha um noivo estávamos juntos a 10 anos, não suportou minha depressão e preferiu terminar, um covarde. Passado um tempo do término conheci meu esposo, nos casamos com cinco meses de namoro foi onde descobrir o verdadeiro amor e cuidado de quem realmente ama, em alguns meses estava grávida, na hora assustei, mais vi como se Deus estivesse me dando s chance de viver de novo, em junho deste ano tive um descolamento de placenta onde tive meu filho, meu príncipe com 29 semanas gestação, quase morremos no parto, a partir desse dia só choro e escuridão, meu filho ficou CTI e de 08:00 às 22:00 estava com ele no CTI, não tive resguardo, nada, meu esposo revezando entre hospital, casa e trabalho, e eu entre casa e hospital, foram dias e noites sem dormir, det choro e orações muitas orações, eu cantava pra ele, orava, conversava, dava amor e todo carinho que podia naquele momento, eu implorei, supliquei a Deus que não nos tirasse o bem mais precioso o nosso filho e quando completou dois meses meu filho faleceu, segurei meu filho mais de três horas no colo depois de morto ainda pedindo a Deus para que fizesse um milagre. Tem menos de um mês que meu filho se foi, quis desenterrar ele várias vezes, não saio de casa, não falo com ninguém, não atendo telefone, várias vezes imaginei minha morte, o quarto dele está montado e vai ficar, tenho vergonha da minha fé, porque acreditei de alma e coração que Deus iria trazer meu filho pra casa, nunca mais orei e fui igreja, estou com raiva de todos e muito, muito magoada com Deus. Não sei porque escrevi, só sei que junto com meu filho foi o resto que tinha de vida.

  20. Luan diz:

    Olá, perdi um namoro de um ano e três meses, é difícil, sinto-me como se estivesse morrido alguém. A pessoa mudou de estado, agora fica muito mais difícil qualquer hipótese de reatar. Sinto-me como sem forças para viver. Perdi o gosto pelas coisas. Entendo que como Psicólogo não achará irrelevante. Eu ergo a cabeça todos os dias para parecer forte e passar que está tudo bem. É difícil as pessoas saberem realmente o que se passa, quando que para elas chorar por outra pessoa ou lamentar a perda, romanticamente falando, é tachado de ridículo e ouvir conselhos como ‘foi melhor assim’, ‘tudo passa’, ‘logo você está em outra’. Não são o tipo de coisa ‘des-agradável’ que queremos ouvir nesse momento – quem já passou por isso entende. Por favor. Sou estudante de Psicologia.