Narcisismo descreve uma paixão patológica por si próprio característica de uma personalidade típica. Mas que mal pode fazer apaixonar-nos por nós próprios?

A palavra Narcisismo, deriva da Mitologia Grega de Narciso. Narciso era um belo jovem que rejeitou a ninfa Eco, que estava extremamente apaixonada por ele. Como vingança ou punição, foi amaldiçoado de forma a apaixonar-te pela sua imagem de forma avassaladora. Uma vez Narciso, vendo a sua imagem refletida na água, ele avança para ela e morre por afogamento.

Narcisismo por um termo criado por Freud, com base nesta poderosa metáfora, para descrever os indivíduos, que se apaixonam de forma patológica e doentia por si mesmos. Bem como as consequências de tal paixão.

Acredita-se que todos os indivíduos, desde o nascimento possuem algum nível de narcisismo, porém apenas é patológico, depois de determinado nível, pois até esse nível é saudável. Surge então a pergunta óbvia: Qual é o limite entre o saudável e patológico?

Para responder a essa pergunta, vou então descrever algumas das características dos Narcisistas, de forma a ser mais fácil identificar o saudável e o patológico:

Gosta de liderar- Os narcisistas apreciam posições de superioridade e domínio, na medida que “mandam” nos outros, dão ordens com facilidade, porém negligenciam as necessidades dos subordinados, o que os faz “maus” lideres”.

Centro das atenções – Os narcisistas adoram ser o centro das atenções, por norma são “híper” sociais, comunicando de forma a chamar muito a atenção das pessoas à sua volta.

Roupas excêntricas – Tal como foi dito anteriormente, o narcisista gosta de dar nas vistas, por essa razão, dá excessiva importância ao exterior e a como se veste. Por norma os narcisistas, vestem-se melhor, com mais estilo e com roupas mais ousadas que as restantes pessoas, de forma a captarem o máximo de olhares possíveis.

Excessiva importância ao corpo – Os narcisistas são sedutores de atenção, logo, têm de estar perfeitos ou “caminhar” para isso. Muitos vão ao ginásio, de forma a terem mais um objeto de sedução: o corpo. Além de que podem fazer com frequência comentários prejurativos sobre o corpo de outras pessoas.

Relacionamentos sexuais – Os narcisistas tratam os seus parceiros sexuais como trofeus, divulgando-os para o mundo, mostrando ao mundo como são amados pelo mundo. Além de que mostrando também que têm sempre opções no amor, pois existem muitas pessoas que o adoram. Além disso, o narcisista sente que necessita de provar constantemente ao mundo e a si mesmo que é “competente”, logo, poderá trair com frequência o parceiro.

Desvaloriza, procurando admiração – Os indivíduos narcisistas, frequentemente desvalorizam ou outros de forma a manterem a sua imagem positiva. Quando percecionam alguém mais importante ou com mais valor que eles, tentam desvalorizar, manchar a imagem dessa pessoa, como forma indireta de se auto-valorizarem.

Egocêntrico – Como é de esperar, o narcisista julga-se o centro do universo, em que ele é como um Deus. As suas necessidades são prioritárias e as necessidades do resto do mundo negligenciadas. Ele escolhe o que fazer, onde fazer e quando fazer e aí de quem se opor à sua vontade.

Assim o limite entre o narcisismo saudável e patológico está em gostarmos de nós próprios, mas com consciência do outro, das suas necessidades, do seu valor, da sua perspetiva, que pode ser diferente da nossa, porém isso não quer dizer que tenha menos valor.

É importante referir, que o narcisismo segundo os psicanalistas e psicodinâmicos é um protetor do psiquismo. Na medida que pretende colmatar o valor que não foi dado adequadamente durante a sua infância. Inconscientemente, o narcisista não se acha o maior, mas quer convencer-se que seja. Porque no seu inconsciente mais profundo, ele é uma criança sem valor, daí a necessidade de constante valorização.

E você, conhece pessoas narcísicas?

Posts Relacionados:  Descodificando o Segredo: Lei da Atração ou Efeito Pigmaleão? ; Cérebro: Masculino Vs Feminino ; NeuroPsicologia: O Cérebro Humano ; NeuroPsicologia: Linguagem ; 8 Verdades sobre o Cérebro; Hipnose ; Psicologia e Meditação: Um Instrumento Complementar ; Aprenda a Meditar em 6 Passos ; Inconsciente: O local das “Verdades”? ; 8 Mecanismos de Defesa

Siga-nos no Facebook , no Twitter ou no Google+

Autor: Jorge Elói

Sem Spam

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!