A Doença de Alzheimer é das demências mais frequentes atualmente. A esta doença se deve a morte precoce das células cerebrais, começando pela memória e terminando com a ausência total de autonomia dos doentes.

A Doença de Alzeimer é uma doença do cérebro, caracterizada como demência. Como em toda e qualquer demência, ocorre a morte precoce de células cerebrais, isto é, faz com que os neurónios e sinapses tenham uma vida mais curta.

Esta doença é progressiva, isto quer dizer que nunca estabiliza, o sentido é para piorar continuamente. Os doentes perdem aproximadamente entre 5 e 15% das capacidades cognitivas por ano. Levando em média 8 anos, desde os primeiros sintomas até à total perda de autonomia e capacidades cognitivas. É irreversível, pois, as células, tecido e mesmo capacidades que se perderam, não têm possibilidade de recuperação.

Os sintomas aparecem por volta dos 55/60 anos, 3% surgem entre 65 e 74 anos, 19% entre 75 anos e 84 anos e 47% a partir de 85 anos.

Relativamente à prevalência, só na europa 7.3 milhões de pessoas sofrem de demência. Para Portugal estima-se 153 mil pessoas sofrem de demência, em que 90 mil a demência é Alzheimer. Com o envelhecimento global da europa, os especialistas preveem os números de doentes com Alzheimer duplicar em 2040. Na europa, cada ano são diagnosticados 1.4 milhões de casos de demência, em que mais de 50% é Alzheimer, isso significa que a cada 48 segundos um novo caso é diagnosticado.

Em relação à origem não existe unanimidade, porém existe suspeita de vários fatores intervenientes, como genéticos, ambientais, biológicos e neurológicos.

Considera-se que o desenvolvimento da doença ocorre em 4 fazes:

1ºFase- Surgem os primeiros sintomas, muitas vezes relacionados com o stress ou o envelhecimento natural. As perdas cognitivas mais evidentes são: a memória a curto prazo (Ver 7 Memórias do Ser Humano), o paciente perde a capacidade de se concentrar, perde a flexibilidade no pensamento e o pensamento abstrato. É possível encontrar sintomas como desorientação no espaço e no tempo.

2ºFase- Com o decorrer do tempo os neurônios morrem, aumentam as dificuldades em reconhecer e identificar objetos e executar alguns movimentos. Existe um agravamento dos sintomas da 1º fase. As memórias processuais (Ver 7 Memórias do Ser Humano) não são todas afetadas da mesma maneira, a memória a longo prazo, as memórias processuais não são tão afetadas. Esta fase é caracterizada pelo empobrecimento geral da linguagem e dificuldades de coordenação motora.

3ºFase- Nesta fase a autonomia começa a ficar bastante afetada. Aqui o paciente perde a capacidade de ler e escrever, deixando de consegui fazer tarefas simples do quotidiano. Nesta fase o paciente pode deixar de reconhecer parentes próximos. São frequentemente manifestações de irritabilidade, instabilidade emocional e agressividade. Aproximadamente 30% dos pacientes desenvolvem alucinações e paranoias. A incontinência urinária pode aparecer.

4ºFase- Nesta fase o paciente está completamente dependente dos cuidadores. A linguagem reduz-se a palavras isoladas ou a simples frases, acabando eventualmente por perder a fala. Sintomas como a agressividade, apatia e extremo cansaço podem estar presentes. Devido ao deterioramento da capacidade motora e muscular, o doente deixa de conseguir fazer qualquer função motora, acabando numa cama completamente dependente.

E você, conhece alguém com doença de Alzheimer?

Posts Relacionados: A importância da PsicologiaCérebro: Masculino Vs Feminino ; NeuroPsicologia: O Cérebro Humano; Atividade Física: Benefícios Psicológicos ; Síndrome de Pânico: Causas e Implicações ; Medo e Fobia: Diferenças e Semelhanças ; Síndrome Burnout: Causas e Implicações ; Paralisia Cerebral: Causas e Implicações ;7 Memórias do Ser Humano

Siga-nos no Facebook , no Twitter ou no Google+

Autor: Jorge Elói

Sem Spam

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!