Psicossomáticas são sintomas ou doenças biológicos e/ou físicos, com origem em fatores psicológicos. Com base no dualismo corpo-mente, a mente influencia o corpo e vice-versa, formando um só.

No início dos tempos, pensava-se que o ser humano estava dividido em duas partes, corpo e mente. Atualmente, depois de provas científicas sabe-se que a mente influencia o corpo e mesmo a própria biologia.

As doenças e sintomas psicossomáticos, tem origem em emoções negativas internas, não exteriorizadas. Medos, emoções reprimidas, sentimento de culpa, rejeição, são exemplos emoções que se não forem devidamente exteriorizadas, irão ter repercussões ao nível psicológico como é óbvio, mas também físico. No extremo oposto, existem provas que quando estamos bem e fazemos as coisas que gostamos, ou sentimos prazer, o nosso organismo fica mais saudável, bem como o sistema imunitário aumenta a sua eficiência.

Estudos da investigadora Louise L. Hay numa abordagem psicodinâmica, ela afirma que somos responsáveis por todas as doenças do nosso organismo. Identificou uma série de doenças e sintomas, bem como as emoções correspondentes:

DIABETES: Tristeza profunda.

DIARRÉIA: Medo, rejeição, fuga.

DOR DE CABEÇA: Autocrítica, falta de autovalorização.

DOR NOS JOELHOS: medo de recomeçar, medo de seguir em frente.

ENXAQUECA: Raiva reprimida. Pessoa perfeccionista.

FIBROMAS: Alimentar mágoas causadas pelo parceiro (a).

FRIGIDEZ: Medo. Negação do prazer.

GASTRITE: Incerteza profunda. Sensação de condenação.

HEMORRÓIDAS: Medo de prazos determinados. Raiva do passado.

HEPATITE: Raiva, ódio. Resistência a mudanças.

INSÔNIA: Medo, culpa.

LABIRINTITE: Medo de não estar no controle.

MENINGITE: Tumulto interior. Falta de apoio.

NÓDULOS: Ressentimento, frustração. Ego ferido.

PELE (ACNE): Individualidade ameaçada. Não aceitar a si mesmo.

PNEUMONIA: Desespero. Cansaço da vida.

PRESSÃO ALTA: Problema emocional duradouro não resolvido.

PRESSÃO BAIXA: Falta de amor quando criança. Derrotismo.

PRISÃO DE VENTRE: Preso ao passado. Medo de não ter dinheiro suficiente.

PULMÕES: Medo de absorver a vida.

QUISTOS: Alimentar mágoa. Falsa evolução.

RESFRIADOS: Confusão mental, desordem, mágoas.

REUMATISMO: Sentir-se vitima. Falta de amor. Amargura.

RINITE ALÉRGICA: Congestão emocional. Culpa, crença em perseguição.

RINS: medo da crítica, do fracasso, desapontamento.

SINUSITE: Irritação com pessoa próxima.

TIRÓIDE: Humilhação.

TUMORES: Alimentar mágoas. Acumular remorsos.

ÚLCERAS: Medo. Crença de não ser bom o bastante.

VARIZES: Desencorajamento. Sentir-se sobrecarregado.

É importante referir que existem estudos que negam a possível correlação encontrada com a doença/sintoma e emoções específicas como no estudo anterior. Porém concordam que as emoções negativas reprimidas fazem-nos mais vulneráveis a doenças e a determinados sintomas, visto que as emoções (Ver Emoções: Inúteis ou Fundamentais?) têm efeito direto sobre o sistema imunitário. Resumindo, como se as emoções negativas nos torna-se muito mais propensos a doenças e sintomas.

Assim sendo, é necessário, exteriorizar as emoções, fazer atividades que tenhamos prazer. Aprender a transformar o sofrimento é essencial (VER Como “Reciclar” Sofrimento em 4 Etapas).

 

E você, já tinha ouvido falar em doenças psicossomáticas?

Temas relacionados: A Importância da Psicologia ; 6 Passos para Maximizar o Potêncial de Empregabilidade ; Psicologia Clínica e a Relação Terapêutica ; Deus: Acreditar ou não Acreditar ; 9 Dimensões para Desenvolver a Criatividade; 12 Crenças Irracionais de Ellis ; Efeito Placebo: Conheça este Incrível Efeito; Descodificando o Segredo: Lei da Atração ou Efeito Pigmaleão?

Autor: Jorge Elói