Um dos desafios de todos os Pais na educação dos filhos, são as conhecidas “Birras”. Mas afinal o que é uma birra e como se consegue controlar? É a questão que todos os pais enquanto educadores, gostariam de ter a resposta.

A birra é uma forma de expressar a raiva ou aborrecimento de forma imatura. Manifestando-se através choro, gritos, pontapés e cabeçadas nos móveis e paredes, etc. Resumindo uma birra pode dar origem a um escândalo. Não há crianças iguais, porém as birras fazem parte do desenvolvimento da criança, tendendo a desaparecer à medida que a idade avança. Não existem quantidades exatas para a frequência de birras, nem existem prazos definidos para que essas terminem. Cada criança é diferente de todas as outras, portanto, têm a sua própria personalidade e necessidades.

A Birra é um tipo de “chantagem” que a criança faz quando é confrontada com a negação de qualquer coisa. Em que a criança só “pára” de ter um comportamento desadequado quando se lhe é feito a vontade. Esta tem origem na incapacidade/imaturidade emocional de lidar com a negação e/ou frustração, típica dos primeiros anos de idade.

As birras representam um dos grandes problemas da educação parental, vamos então dar umas dicas de forma a minimizar e até mesmo acabar com as birras.

1-      Ensinar os filhos a expressarem-se por palavras. – Mostrar que sentimentos como a raiva e a frustração são normais, mas devemos expressá-los de forma adequada. É essencial inicialmente pedir à criança que explique o “porquê” do que está a sentir.

2-      Seja paciente – Nesta primeira fase é necessário ter paciência, não espere que a criança mude radicalmente o seu comportamento. Vai ocorrer de forma gradual. Não deve perder o controlo da situação, os pais devem ser o modelo comportamental.

3-      Seja consistente – Não ceda às birras. Minimize a sua importância. Seja consistente com o que diz. Quando diz “não”, mantenha esse “não” até ao fim, independentemente da birra e do escândalo que possa ocorrer. É importante referir, mais importante que o “não” ou o “sim” é a coerência.

4-      Seja coerente – Cumpra o que promete. Para o bem e para o mal, cumpra o que promete, sempre. Não prometa prendas ou castigos que depois se esqueça.

5-      Atue no momento da birra – Se possível atue no momento da birra, qualquer forma de punição ou castigo, deve ser transmitida no momento da birra. Evitar o “lá em casa falamos”, se possível “fale “ naquele momento. Os castigos devem ter o objetivo de definir normas e estabelecer limites.

6-      Tende prevenir – Por norma as birras ocorrem quando as crianças estão mais cansadas ou com sono. Por isso, nesses casos evite situações desencadeadoras de possíveis “vontades”.

Lembre-se que o processo de educação é contínuo, originando mudanças graduais. Evite os sermões e as surras apenas na hora. Não espere que a sua “educação” funcione sempre, nem à primeira. Mas seja persistente, não perca a consistência nem a coerência. Aos poucos verá resultados, e mesmo que haja regressões no comportamento, mantenha a coerência e persistência.

E você tem dificuldades ao educar?

Posts Relacionados: A importância da Psicologia ; Ser Psicólogo; Espaço Psicologia Free; O que não sabe sobre o Amor ; 6 Dicas para Educar com Limites

Siga-nos no Facebook , no Twitter ou no Google+

Autor: Jorge Elói