Atualmente, frequentemente ouvimos a palavra crise, também comum à área da Psicologia a chamada “Crise Psicológica”. Mas o que é a Crise Psicológica? É positiva ou negativa?

Primeiro que tudo  a palavra “Crise” deriva do grego Krisis que em português significa: decisão, distinção, separação. Este conceito é utilizado em muitas áreas de conhecimento, como na política, na economia, na Psicologia, na sociologia, entre outras.

Em psicologia, a palavra crise é utilizada principalmente na área da psicologia do desenvolvimento. O ser humano é um ser em equilíbrio e desequilíbrio constante, em todas as suas dimensões, ao nível biológico, psicológico, social, etc. A mudança, alteração ou mesmo perturbação a esse equilíbrio constante, é a chamada “crise psicológica”. Assim sendo, a Crise Psicológica corresponde à rutura da homeostase psíquica devido à perda ou mudança dos elementos ou fatores estabilizadores habituais, que exige necessariamente um esforço suplementar para manter o equilíbrio ou atingir novamente a homeostase.

Sendo que a estabilidade psicológica depende de alguns fatores e/ou elementos, a crise é então considerada uma perda desses fatores, temporária ou permanente, ou então uma substituição rápida desses fatores por outros. Esta mudança requer a dependência de novos ou outros fatores para atingir a estabilidade, já que os antigos elementos/fatores já não estão presentes.

Em qualquer que seja a área de conhecimento a crise não é necessariamente negativa. Ao nível da crise psicológica as atitudes e comportamentos da pessoa é que vai definir a evolução da crise. Como vimos a crise é uma quebra do equilíbrio por ausência ou substituição de fatores e/ou elementos que “sustentavam” esse equilíbrio. Perante este desequilíbrio, a pessoa em crise psicológica têm “uma bifurcação no seu caminho”, tendo que tomar necessariamente uma decisão. Se continua esperando os fatores e/ou elementos que se perderam ou se ausentaram, responsáveis por proporcionaram o equilíbrio psíquico no passado (procurando o antigo equilíbrio) ou procura novos fatores e/ou elementos, novos e mais sólidos, proporcionando um novo equilíbrio. Esta escolha vai refletir-se na evolução da crise.

Desta forma a crise pode ser vista como negativa, com sentido regressivo quando a pessoa não consegue o equilíbrio por depender de elementos que se perderam permanentemente, mas a pessoa ainda assim os espera. Ou pode ser vista como positiva ou momento de crescimento, constituindo um novo e mais forte equilíbrio, dependendo de fatores e elementos mais sólidos.

O momento de crise implica necessariamente risco e incerteza, visto que nos é “exigido” uma decisão sobre algo que desconhecemos. Continuaremos pelo velho caminho ou iremos por um novo, mas desconhecendo onde nos irá levar? Esta é a questão central da crise, a resposta vai definir a sua conclusão.

Um dos fatores mais frequentes que originam crise psicológica é o Luto, fundamentalmente quando é um luto de uma pessoa importante. Neste caso luto corresponde à perda física ou psicológica de algum, isto é, desde o terminar de namoro ou noivado, até ao falecimento de alguém querido. Em ambos, são exemplos de crise. Podemos esperar que a pessoa que perdemos volte ou podemos assimilar a perda e procurar outra maneira de viver, sem essa pessoa. Isso irá definir a evolução ou regressão da crise.

E você, é frequente estar em crise?

Temas relacionados: A Importância da Psicologia ; Como “Reciclar” Sofrimento em 4 Etapas ; Psicologia Clínica e a Relação Terapêutica ; Deus: Acreditar ou não Acreditar ; 9 Dimensões para Desenvolver a Criatividade; 12 Crenças Irracionais de Ellis; Luto: 5 Fases Fundamentais; Efeito Psicológico do Desemprego