A Psicologia do Ambiente é uma área da psicologia relativamente recente, esta procura otimizar o comportamento humano na interação com o meio ambiente. Por sua vez a sua ação estende-se por muitas das outras áreas, como a psicologia clínica, educacional, organizacional entre outras.

A Psicologia Ambiental teve origem após a segunda guerra na reconstituição das cidades origem, os seus primeiros estudos oficiais surgiram por volta de 1960. Quando falamos de Psicologia Ambiental, não nos referimos especificamente às condições climatéricas e aos fatores de poluição como é hábito no conceito de “Ambiente”, referi-mo-nos a algo muito mais amplo, não obstante incluindo também esses fatores. Mas em Psicologia, Ambiente, refere-se a tudo o que envolve o ser humano e pode influenciar o seu comportamento.

Como em muitas outras áreas da psicologia o “Ambiente” está presente, a Psicologia Ambiental pode interligar-se facilmente com essas áreas. Em Psicologia Clínica, a Psicologia Ambiental pode proporcionar um ambiente mais propício à pessoa sentir-se bem, de forma a melhorar a relação terapêutica. Em Psicologia Educacional, a Psicologia Ambiental pode proporcionar um ambiente mais propício à aprendizagem, à motivação e à interação professor-aluno. Em Psicologia Organizacional, a Psicologia Ambiental poderia proporcionar um ambiente otimizador do desempenho ou da criatividade, de forma aos trabalhadores trabalharem mais e melhor.

A Psicologia Ambiental pode intervir a vários níveis, não apenas ao nível pessoal como também ao nível arquitetónico. Desde adaptar a temperatura, a luz, as cores ao trabalho do individuo, até à intervenção na arquitetura de edifícios. Existem estudos da psicologia ambiental, na construção e arquitetura de edifícios como prisões, lares, hospitais, fabricas, escritórios.

É importante referir que está comprovado cientificamente que fatores externos influenciam mais o nosso comportamento que fatores internos. Isto é, perante determinado ambiente, (independente das capacidades cognitivas, personalidade, estrutura neurológica, …) teremos mais probabilidade de ter determinado comportamento. Logo aí o ambiente atinge uma extrema importância.

Pela manipulação ambiental, pode ser possível aumentar as interações sociais ou diminui-las; pode fazer com que os trabalhadores tenham um melhor desempenho ou fazer o seu desempenho decresca; pode fazer com que um aluno se sinta motivado e participe ou o desmotive, inibindo-o (um exemplo utilizado frequentemente pelos professores é a alteração da disposição mesas e cadeiras, em forma de “U”, em circulo ou em quadrado, melhorando face à forma tradicional).

A Psicologia muitas das vezes não altera apenas o comportamento como também altera outras capacidades cognitivas, estudos curiosos indicam por exemplo que: indivíduos estando numa sala com fotografias de personagens inteligentes como Einstein, Tomas Edison, entre outros, respondem a mais perguntas corretas no jogo do trivial; a cores também revelam ter um efeito interessante nas capacidades cognitivas dos indivíduos ( VER A Importância das CORES).

E você, já conhecia o efeito que o ambiente em que se insere tem sobre si?

 

Posts Relacionados: A importância da Psicologia ; 6 Dicas para Educar com Limites ; Aprendizagem: 3 Regras para uma Estratégia Eficaz ; NeuroPsicologia: O Cérebro Humano ; Cérebro: Masculino Vs Feminino ; A Importância das CORES ; Efeito Placebo: Conheça este Incrível Efeito; Descodificando o Segredo: Lei da Atração ou Efeito Pigmaleão?

Siga-nos no Facebook , no Twitter ou no Google+